Ibovespa opera em queda com exterior negativo

LYNXMPEI640PF_L.jpg

Ibovespa, principal índice da bolsa de valores de São Paulo, a B3, opera em queda nesta segunda-feira (11), acompanhando o dia negativo nos mercados externos, com o aumento das preocupações com a economia chinesa e perdas de commodities como petróleo e minério de ferro.

Às 10h21, o Ibovespa recuava 1,16%, a 99.121 pontos. Veja mais cotações.

Na sexta-feira, a bolsa fechou em queda de 0,44%, a 100.289 pontos. Com o resultado, acumulou alta de 1,35% na semana. No mês, a alta é de 1,77%. No ano, no entanto, ainda há queda de 4,32%.

O que está mexendo com os mercados?

Preocupações com potencial desaceleração econômica global seguem impactando os negócios, assim como expectativa para nova safra de balanços corporativos, enquanto no Brasil a pauta fiscal e tensões ligadas à campanha eleitoral estão no radar.

Os investidores voltam a demonstrar preocupação com a economia da China esta semana, por conta do aumento de casos de Covid-19 no país, que podem levar à adoção de uma nova rodada de medidas de restrição à atividade econômica do país. Além do impacto nos preços das commodities, o cenário também dificulta a normalização das cadeias globais de oferta, fator que segue como um empecilho para a queda da inflação ao redor do mundo.

"Na China, o aumento de casos de covid volta a assombrar o país e elevar o risco de novos lockdowns, com impactos possíveis no cenário para o crescimento do país e do mundo", afirma o diretor de investimentos da TAG, Dan Kawa, em comentário, de acordo com a Reuters.

Já nos Estados Unidos, a semana é carregada de eventos importantes, como a divulgação do índice de preços ao consumidor (CPI), na quarta-feira, além de outros indicadores de atividade econômica no país. Além disso, a semana marca o início da publicação de resultados corporativos nos Estados Unidos, com a divulgação dos balanços de grandes instituições financeiras, como o J.P. Morgan e o Morgan Stanley.

Por aqui, os investidores avaliam os dados do Boletim Focus, que teve sua publicação retomada de forma regular, às segundas-feiras, após o fim da greve dos servidores do Banco Central. Segundo a publicação, as estimativas do mercado financeiro para a inflação deste ano recuaram para 7,67% – mas, para o próximo ano, tiveram alta, para 5,09%.

Na cena política, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) decidiu na semana passada adiar para esta terça-feira (12) a votação da PEC (proposta de emenda à Constituição) que libera R$ 41 bilhões em gastos a pouco mais de três meses das eleições.

O adiamento, devido ao quórum baixo na sessão, foi interpretado pela oposição como uma derrota para o governo, que tentava concluir a votação desta matéria antes do fim desta semana, a fim de tentar viabilizar o início do pagamento dos benefícios até 1º de agosto.

Apelidado de "PEC Kamikaze", o pacote reacendeu temores de descontrole fiscal e de uma pressão ainda maior nos juros e inflação. O Tribunal de Contas da União (TCU) abriu apuração sobre a PEC que proposta que cria benefícios sociais a poucos meses das eleições.

Fonte: g1