Inadimplência cresce e atinge 64,87 milhões de brasileiros em outubro

231037.jpg

Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) apontou que, em outubro, quatro em cada dez brasileiros estavam com dívidas em atraso. A cifra equivale a 64,87 milhões de pessoas, um novo recorde da série histórica da pesquisa, realizada há oito anos.

Segundo os dados, que abrangem informações de capitais e interior de todas as unidades federativas, a variação anual observada em outubro deste ano ficou abaixo da observada no mês anterior. Na passagem de setembro para outubro, o número de devedores cresceu 1,06%, enquanto na comparação anual, o aumento foi de 19,11%.

"O brasileiro ainda sente no bolso os efeitos dos últimos aumentos das taxas de juros e dos preços dos alimentos. Apesar da inflação ter diminuído, no dia a dia isso ainda não é sentido nos produtos de consumo básico, que seguem aumentando. Esse cenário impacta diretamente no orçamento familiar", destaca o presidente da CNDL, José César da Costa.

Em termos de participação, o setor credor que concentra a maior parte das dívidas é o de Bancos, com 61,34% do total. Na sequência, aparecem os segmentos de Comércio (12,67%), Comunicação (12,67) e contas básicas, como água e luz, (10,89%). A dívida média do brasileiro no mês ficou em R$ 3.694,06.

 

"Até agora o consumo foi garantido pelo ímpeto do pós-pandemia e por estímulos fiscais, mas esse ritmo deve enfraquecer. A expectativa é de que esse cenário de inadimplência se mantenha nos próximos meses. Por isso, o consumidor deve se manter atento aos gastos e utilizar o 13º salário com muita responsabilidade, priorizando o pagamento de dívidas" alerta o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Fonte: SBT News