Petrobras levanta US$ 4,8 bilhões com venda de ativos em 2021

4.png

A Petrobras informou nesta quarta-feira (15) que levantou neste ano, até 7 de dezembro, aproximadamente US$ 4,8 bilhões (o equivalente a mais de R$ 27 bilhões) com o seu plano de venda de ativos.

A estatal destacou também que o investiu o montante de US$ 6,1 bilhões nos primeiros nove meses do ano, superando assim o valor obtido com desinvestimentos.

Entre as principais vendas do ano, está a da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, por US$ 1,8 bilhão (cerca de R$ 10 bilhões), para o fundo Mubadala.

"Com a conclusão da venda da RLAM, realizada em 30/11, a Petrobras segue firme no compromisso firmado com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para a venda de 50% da sua capacidade de refino", afirmou a estatal.

Também foram assinados em 2021 os contratos de venda da Refinaria Isaac Sabbá (REMAN), no Amazonas, e da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná. Seguem em andamento ainda os processos visando a conclusão do contrato de venda da Refinaria Gabriel Passos (REGAP), em Minas Gerais, e da Lubrificantes e Derivados do Nordeste (LUBNOR), no Ceará.

A Petrobras também vendeu campos de exploração de petróleo, vendeu a sua fatia restante na BR Distribuidora, que resultou em US$ 2,2 bilhões, assinou a venda da Gaspetro e alienou os 10% remanescentes da NTS.

"A gestão de portfólio na Petrobras está lastreada na saída de ativos menos aderentes ao seu plano estratégico e realocação de recursos em ativos onde está o foco da companhia, como os campos em águas profundas e ultraprofundas do pré-sal", explicou a Petrobras.

Levantamento divulgado na terça-feira pelo Observatório Social da Petrobrás (OSP), mostrou que desde 2015, já foram vendidos 64 ativos e participações acionárias da estatal, somando R$ 243,7 bilhões.

"Mais da metade das privatizações aconteceu no governo de Jair Bolsonaro, com a negociação de R$ 138,2 bilhões, o equivalente a 56,7% do valor total", destacou o OSP, que é entidade de pesquisa ligada à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), ao Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps) e ao Instituto Latino-Americano de Estudos Socioeconômicos (Ilaese).

Entre os grandes ativos que seguem em processo de venda está a participação da Petrobras na Braskem. Em agosto, a estatal contratou o JPMorgan como assessor para vender sua participação na petroquímica.

Os resultados alcançados em 2021 foram muito importantes e mostram que seguimos perseguindo uma gestão ativa de portfólio que permita que a companhia foque seus investimentos nos negócios em que tem maior expertise e possa obter o melhor retorno”, disse em comunicado a gerente executiva de Gestão de Portfólio da Petrobras, Ana Paula Lopes do Vale Saraiva.

Fonte: g1